Como Montar um Roteiro de Viagem

Por Themys Cabral

Sabe aquela história de pegar uma mochila, colocar nas costas, e simplesmente ir? Não cola comigo. Eu acho que uma viagem independente exige, sim, um bom planejamento. E esse planejamento começa normalmente com um roteiro bem feito.

Logicamente que esse planejamento não significa transformar o seu roteiro em algo engessado e imutável, mas apenas te dar segurança para evitar roubadas e a certeza de que você não vai perder as atrações que mais te interessam.

Isso porque sem planejamento você corre o risco de dar de cara na porta naquele museu que você sonha conhecer! Cada um tem a sua maneira de fazer o seu planejamento. Hoje vou contar para vocês como eu organizo os meus roteiros de viagem.

Para começo de papo, você tem que saber para onde você quer ir, que lugares gostaria de conhecer. Neste primeiro momento, você não precisa ter informações detalhadas do lugar. Eu, por exemplo, tenho uma lista que eu chamo de “lista de botas”. Nesta pequena-grande listinha, eu tenho tudo que eu quero fazer antes de bater as botas. Entre essas coisas que eu quero fazer antes de ir dessa para uma melhor, vocês devem imaginar, há um zilhão de lugares que eu gostaria de conhecer (não, eu não vou conseguir zerar a lista com a volta ao mundo que vamos fazer!).

Pois, bem! Aí você tem na mão a lista de lugares que quer ir. E faz o que com isso? Aí que começa a parte mais trabalhosa da coisa. Mas não se preocupe, embora seja trabalhoso, é gostoso, porque é como se você já estivesse quase viajando. É nesse momento que você vai começar a detalhar o seu roteiro, fuçando guias e blogs de viagem. Entre os guias, gosto muito do Guia do Viajante Independente. Entre os blogs de viagem adoro o 360meridianos.com e o mochilaotrips.com, além do fórum mochileiros.com.

Detalhamento
Feita a lista de lugares que eu quero ir, eu pesquiso nesta ordem: condições de deslocamento entre as cidades que eu quero conhecer (meio de transporte e tempo de deslocamento), os passeios que eu quero fazer em cada uma das cidades, se alguma cidade vale fazer apenas day trip em vez de pernoitar, os custos médios dos viajantes naqueles lugares levando em consideração o meu perfil, além de questões de segurança, saúde e clima.

Com base nisso tudo, eu faço uma estimativa de quantos dias eu preciso ficar em cada lugar. Coloco todas essas informações esquematizadas num papel bonitinho. Mas, veja, até esse momento eu não reservei nada e não deixei
nada amarrado!

Reservas antecipadas
Na segunda parte do planejamento, eu começo a avaliar tudo aquilo que precisa ser realmente reservado com antecedência: normalmente voos e ingresso para alguma atração específica que precise comprar antes.

Identificado isso, mãos a obra para reservar!

Hospedagem
A hospedagem eu costumo reservar apenas da primeira cidade (a não ser que a minha pesquisa me mostre que vou para algum lugar que costuma lotar muito na época em que eu vou estar). Fora disso, eu uso aplicativos como Booking, Decolar, Hostel World, Hostel Bookers, Agoda e AirBnB para reservar, já durante a viagem, a hospedagem da próxima cidade que eu for. Assim me sinto mais livre para mexer no roteiro e, ao mesmo tempo, não preciso correr o risco de chegar na cidade e ficar arrastando mochila para cima e para baixo atrás de um teto para dormir, depois de uma viagem cansativa.

Ah, importante, antes de reservar o hostel no aplicativo, eu sempre dou uma bela de uma espiada nos comentários das candidatas à hospedagem no TripAdvisor e nas fotos que os viajantes postam lá.

Bom, gente, esse é o meu método! E vocês como fazem?

Leia outros textos relacionados
Booking.com
Modificado e otimizado por Jean Kássio