10 coisas que você precisa saber antes de ir para a China

Por Themys Cabral e Robert Nespolo

Não tem nada que prepare a gente para um choque cultural. Mas, o certo é que, quando nos propusemos a viajar e conhecer culturas diferentes, estávamos de cabeça aberta e dispostos a tentar entender e respeitar o que viesse pela frente. Mas, lógico, que tudo tem um limite.

Por exemplo, violência contra crianças, mulheres… não rola de jeito nenhum. Porém, coisas que parecem estranhas para nós, mas que fazem parte de outras culturas e não machucam ninguém, estamos dispostos a tentar entender e até mesmo repetir (como dizem nossas mães: “em terra de sapos, de cócoras como eles!”).

Mas, olha, mesmo esses costumes “inofensivos” podem ser bem chocantes e, algumas vezes, bem irritantes. E na China foi um pouco assim! Nada grave, só choque cultural mesmo.

Separamos uma lista de coisinhas que fizeram com que os nossos dias na China fossem assim… digamos…. um pouco mais difíceis. Mas que, ao mesmo tempo, fizeram a viagem pra lá ser única.

Desde já deixamos claro que não queremos generalizar toda a China ou os chineses, mas apenas compartilhar com vocês um pouquinho de como foi a NOSSA experiência na terra dos pandas.  Essas vivências relatadas aqui também foram sentidas por vários viajantes que encontramos no caminho.

Lembrando que estamos falando da China “chinesa”. Não nos referimos a Hong Kong, pois não fomos para lá e, até onde sabemos, é bem diferente do restante do país (os próprios chineses precisam tirar visto se quiserem viajar para Hong Kong, como numa viagem internacional para eles).

É importante lembrar também que a China é gigantesca e que os costumes podem variar um pouco de região para região. Nós estivemos em quatro cidades diferentes: Chengdu, Leshan, Xi’An e Beijing. Por isso,  este post retrata um pouco da experiência que tivemos nestes lugares específicos, ok?

Dá uma olhada na nossa lista:

1) Os chineses não entendem o conceito de fila. Mesmo! Se você estiver esperando para entrar no banheiro parado na frente da porta e der uma piscada, um chinês vai passar na sua frente e entrar antes de você, sem a menor cerimônia e sem maldade. Sério! Isso aconteceu várias vezes conosco. Isso se repete no metrô, no mercado e até na inexistente fila de check in no aeroporto (foi um caos para despacharmos as malas!!!).

2) Ninguém se importa em dar ou receber pequenas cotoveladas, pisões de pé e empurrões nas multidões. Nós, latinos, temos o sangue bem esquentadinho e se alguém te dá um esbarrão já rola uma cara feia, não é não? Na China, eles vão se empurrando e tudo bem! Ninguém se estressa. Talvez seja a forma como eles resolveram a inexistência de fila. Esse costume não tem nada a ver com a quantidade de gente. Embora a população seja gigante, a densidade demográfica lá é menor que no Japão, por exemplo.

3) Sim, eles escarram no chão o tempo todo e em qualquer lugar (inclusive, dentro de lojas e shoppings). Uma simples voltinha na rua é acompanhada pelo fundo “musical”: arrrghhh! E para a Thê está foi a parte mais difícil. Toda vez que ouvia esse som, ela ligava o modo alerta total com medo que escarrassem no pé dela.

cuspindo no chão

4) Para nós, a comida chinesa do Brasil é mais gostosa que a comida chinesa de verdade. Tínhamos uma expectativa alta para a comida chinesa e ela não se concretizou. Mesmo um prato de sopa com frango pode ser uma experiência complicada. O frango vem com tudo. Tudo mesmo! Inclusive com gostinho de pena.

5) É difícil encontrar chineses que falem inglês ou dispostos a tentar se comunicar de alguma forma (salvo os que querem te vender alguma coisa!). Pedir uma simples informação na rua, em uma cidade chinesa, é uma missão quase impossível. Mas felizmente essa é uma regra com exceções: com um pouco de perseverança, encontramos boas almas dispostas a ajudar nos momentos que precisamos.

6) Google maps não funciona direito na China. Temos usado bastante o Google Maps para nos locomover nas cidades que temos visitado nesta volta ao mundo, mas na China não rolou. Além de quase ninguém falar inglês, ter poucas placas em inglês, a internet ser lenta (porque é necessário usar um VPN para acessar vários sites proibidos pelo governo); ainda por cima o Google Maps não é assertivo. Se depender só dele, você corre sério risco de entrar à direita na garagem de alguém, em vez de achar o templo que estava procurando para visitar do outro lado da cidade.

7) Os chineses falam alto. Quer dizer, MUITO ALTO!! Você no Brasil deve estar pensando: mas os brasileiros também falam alto! Pois é, nesse quesito os chineses são melhores do que a gente.

8) Eles fumam o tempo todo e em qualquer lugar. No ônibus, no táxi e até no banheiro. Alias, a fumaça do cigarro pode vir acompanhada com um sonoro arrrggh!! do motorista do ônibus ou do táxi, seguida daquela cuspida no chão.

9) Sim, as cidades são muito, muito, poluídas e não muito limpinhas. O problema da poluição na China, para o Robert, foi o mais difícil. Ele saiu de lá com uma infecção respiratória que custou curar. As cidades parecem estar encobertas por uma neblina constante. Mas não é neblina, na verdade! É poluição. Tudo na rua fica com uma camada de poeira.

poluição

10) O padrão de higiene na China é BEM diferente do nosso. Isso significa encontrar regularmente banheiros com urina por todos os lados e ter grandes chances de enviar a roupa para a lavanderia DUAS vezes e ainda assim ela voltar fedidinha . Sem contar, o cheiro dentro do busão, que não costuma ser dos melhores (sim, bem pior que aquele ônibus lotado do Brasil).

Mesmo com todo esse choque cultural, uma viagem à China é sempre fantástica! E, como não seria, se numa mesma pernada você pode conhecer a Muralha, os ursinhos pandas e os Guerreiros de Terracota? Sem contar as pessoas incríveis e super simpáticas que nos ajudaram em vários momentos em que nos sentíamos completos analfabetos na rua.

Nunca esqueceremos da chinesa que deixou seu posto de trabalho e nos levou pelo braço até o local certo para pegar o ônibus para a Muralha da China. Ou do chinês que desviou o seu caminho e percorreu toda a estação de trem conosco para se certificar de que estávamos na plataforma correta. Ou então do grupo de adolescentes que nos socorreram quando precisávamos colocar mais crédito para internet no celular e não podíamos fazer sozinhos, já que não sabíamos ler as mensagens em chinês.

Enfim, uma viagem para a China sempre reserva surpresas e muitas coisas diferentes. E não é para isso mesmo que a gente viaja? Lembra da história de culturas diferentes? Não sabe brincar, não desce para o play!


E você já foi para a China? Conte para nós como foi a sua experiência.

Leia outros textos relacionados
Booking.com
Modificado e otimizado por Jean Kássio